• 28 de maio de 2024

OS RISCOS NA SALA DE AULA

 OS RISCOS NA SALA DE AULA

OS RISCOS NA SALA DE AULA

Gilberto Jasper
Jornalista/[email protected]

            Viralizou há poucos dias nas redes sociais o episódio que envolveu a professora Fátima Fernandes, de São Paulo. Ela foi ameaçada pelos pais de um aluno. Tudo começou quando a docente enviou um bilhete aos pais ao constatar que o aluno não fizera tarefas em aula. O recado dizia:

            “É de extrema importância que siga todas as atividades para ele não se perder ao longo do ano. Por favor, conversem com ele”. A mensagem, de  uma educadora preocupada, foi suficiente para provocar a fúria dos responsáveis pelo guri que pediram para ela ser” menos exigente”. O pedido veio através de um bilhete sem rodeios:

            “Se for exigente demais, vou ter que fazer uma visitinha e bater um papinho bem calmo”, constava na mensagem. A professora, sentindo-se ameaçada, registrou um boletim de ocorrência para evitar desdobramentos mais graves no futuro.

            A situação, grotesca e absurda, resume o ambiente que muitos professores enfrentam dentro da sala de aula. A omissão dos pais, que alegam falta de tempo para mascarar a incapacidade de domar a rebeldia dos filhos, transfere aos docentes a função de educar além de ensinar.

            Ao longo da vida escolar dos meus dois filhos – hoje adultos jovens – acompanhei muito de perto suas rotinas. Fiz questão de trazer os amigos e colegas para dentro da nossa casa, através de churrascos, organização de passeios e encontros com outros pais. Eu sei até hoje o nome dos melhores amigos de meus filhos porque sempre achei importante conhecer aqueles que conviviam com eles.

            O descaso com o desempenho escolar não é fenômeno de hoje. Num certo sábado, os pais de uma colega da minha filha simplesmente esqueceram a filha em nossa casa, onde se comemorava o aniversário da nossa filha. Perto das 22h do sábado a mãe telefonou:

            – Viemos passear em Gramado, se distraiu e esquecemos da hora e da minha filha. Podemos pegá-la amanhã? – falou. Domingo à tarde o nada constrangido casal buscou a menina usando roupas da minha filha.

Não bastasse a irresponsabilidade dos pais muitos alunos sofrem lavagem cerebral ideológica de professores em sala de aula. Isto foi mostrado através de um  vídeo no vídeo onde uma professora de São Leopoldo profere opiniões lamentáveis sobre a guerra Rússia-Ucrânia.

RS Norte

Noticias Relacionadas