• 20 de abril de 2024

Fábrica de sabão ecológico com mão de obra prisional em Santo Ângelo deve ampliar produção com recursos da Consulta Popular

 Fábrica de sabão ecológico com mão de obra prisional em Santo Ângelo deve ampliar produção com recursos da Consulta Popular

A fábrica do Sabão Ecológico Curumim, localizada no Instituto Penal de Santo Ângelo, realizará a compra de um maquinário novo, que possibilitará o aumento da produção dos itens e a expansão da estrutura física. As mudanças ocorrerão com um recurso de R$ 335 mil, destinado pela Consulta Popular RS.

Atualmente, cerca de quatro a cinco mil barras são fabricadas mensalmente por apenados e distribuídas aos 11 estabelecimentos prisionais da 3ª Região Penitenciária da Polícia Penal. Os itens são utilizados para a higiene dos presos e para a limpeza dos espaços físicos das unidades.

A Consulta Popular é um processo em que a população define diretamente parte dos investimentos e serviços que constarão no orçamento do Estado, para atendimento de prioridades de interesses municipal e regional. A fábrica de sabão alcançou a terceira posição na votação da Região das Missões.

Dois equipamentos serão adquiridos: um batedor elétrico, que substituirá o antigo que funciona a gás, e uma nova extrusora, máquina responsável por dar forma ao sabão. Com a estrutura atual, cada batida da máquina é capaz de produzir 450 barras. Com os novos maquinários, será possível fabricar mil unidades em cada batida. Assim, a fábrica poderá ter capacidade para suprir as demandas desses itens no sistema penal do Estado, abrangendo toda a população prisional.

A servidora da Polícia Penal e idealizadora do projeto, Débora Pedroso, destaca o trabalho realizado para buscar votos e dar visibilidade à fábrica. “Nós fizemos uma movimentação na região das Missões, para divulgar o projeto e buscar alcançar uma boa votação por parte da população. Isso foi feito com o intuito de conscientização, de falar sobre a sustentabilidade ambiental e o trabalho feito no sistema prisional. É um projeto muito bem-visto e aceito pela comunidade”, afirma.

A atualização das máquinas, além de aumentar a produção dos itens, proporcionará maior segurança a quem atua no local e mais oportunidades de postos de trabalho às pessoas privadas de liberdade que tenham interesse em integrar essa atividade laboral. Também será realizada a expansão dos pontos de coleta de óleo vegetal no município, matéria-prima do sabão recolhida semanalmente pela equipe que trabalha na fábrica. A previsão é que a chegada do maquinário e o início das alterações na estrutura do local ocorram ainda no primeiro semestre deste ano.

Sustentabilidade e ressocialização

Iniciado em 2011, o projeto Sabão Ecológico Curumim possui uma das maiores produções de sabão no sistema prisional. Desde 2014, possui uma fábrica com espaço adequado para a produção dos itens. A ação surgiu devido à demanda dos apenados de manter o espaço de convívio limpo, principalmente quando recebiam visita. A unidade passou, então, a investir na fabricação de sabão à base de óleo de cozinha para suprir as necessidades internas.

Esse tipo de projeto, além de gerar economia para o Estado, já que é viável produzir parte dos próprios itens de limpeza, possibilita o aprendizado de um novo ofício pelas pessoas privadas de liberdade e é uma alternativa sustentável para o reaproveitamento de resíduos que seriam descartados. Também proporciona a remição da pena: a cada três dias trabalhados, os apenados diminuem um dia da sentença.

Atualmente, cinco apenados do regime semiaberto trabalham no local, um deles recebe remuneração por meio de um termo com a prefeitura de Santo Ângelo. Os presos são selecionados de acordo com a conduta e, após o ingresso na atividade, participam de instruções sobre os processos produtivos.

André (nome fictício), que trabalha há cerca de um ano na fábrica, ressalta o impacto em sua vida do serviço que realiza no local: “É um serviço bom. A gente ganha a remição da pena, podemos sair da cela e passar o dia trabalhando. Tem a coleta de óleo nas terças e sextas, que já é mais uma oportunidade de convívio com a sociedade e de conhecer pessoas. Tudo isso favorece a nossa vida, com um trabalho tranquilo, em que a gente aprende muita coisa.”

Várias etapas são necessárias para uma barra de sabão ecológico ficar pronta. Primeiramente, o óleo vegetal é filtrado e decantado. Depois, os insumos são pesados, a gordura animal é aquecida com o óleo, a soda cáustica diluída em água é acrescentada e, a seguir, são adicionados a dolomita, o corante e a essência. Essa mistura, ainda em estado líquido, é colocada em formas para descanso e solidificação. Quando o material está sólido, é utilizada a máquina extrusora, que dá ao sabão o formato desejado. Com a finalização desse processo, as barras são embaladas e estão prontas para uso.

Foto: Jurgen Mayrhofer/Ascom SSPS

RS Norte

Noticias Relacionadas